Café sobre Tela - Ania K. Gevezier - Editora Chiado:


Sinopse:

Em Serra Vermelha, naquele ano, ocorreu um evento incomum: homem e terra tornaram-se um só. Do terreno fértil, nasceu o fruto; do alimento, seu saudável desenvolvimento.
Primeiro, foi necessário cuidar; e a plantação sempre precede a colheita. Café e amor confundiam-se, naqueles montes verdes. Tanto em um, quanto em outro, seu gosto haveria de ser pessoal. Uns provariam puro; outros, o adoçariam. Às vezes, amargaria e, às vezes, acordaria. Haveria quem o provaria e desgostaria; e quem jamais teria vontade de provar. Haveria, ainda, os que morreriam sem jamais ter ouvido falar e os que, de tanto embebedar-se, viciar-se-iam.

Minha Opinião:

Pela primeira vez eu me deparo com um livro cuja sinopse não nos insere na trama da história. Iniciei a leitura com uma vaguíssima ideia do que encontraria em suas páginas, mas com uma séria desconfiança de que iria gostar muito da experiência. E para a minha sorte, eu estava certa!


Café Sobre Tela se passa da metade para o final do século XIX, numa época em que a abolição da escravatura já existia, mas, alguns fazendeiros mais resistentes à mudanças ainda a utilizavam. Este é o caso do pai de Catarina, nossa personagem principal que, com apenas 12 anos está de casamento marcado com Heitor, filho de um amigo de seu pai e que é quase 10 anos mais velho que ela. Na verdade, o livro começa exatamente no dia do casamento de Catarina e Heitor, mais precisamente nas preparações da noiva que por ser ainda tão nova, e órfã de mãe, não sabe o que esperar de sua futura nova vida de casada.


Catarina depois de casada, irá embora para a casa da família de seu marido que, já não utilizam mais escravos e sim, trabalhadores que são explorados em troca de salários muito baixos. Ela precisará deixar para trás seu pai (que nunca foi um bom pai), as lembranças da mãe que partiu tão cedo e principalmente sua ama, Nana, a escrava que lhe cuida desde que nasceu.


Não será fácil num primeiro momento, a adaptação será custosa, já que Catarina é tão criança ainda e prefere a companhia de suas bonecas ao marido. Aliás, este casamento só ocorreu pelo fato de seu pai estar endividado e praticamente vender a filha. O pai de Heitor também tem seus motivos para aceitar que o filho se casa com Catarina. Se bem que, o fator idade naquela época não era tão levado a sério. Este livro, apesar de se passar em outra época, nos traz dramas bem atuais, na verdade a gente pensa que por mais que o tempo passe e as aparências insistam em mostrar uma outra imagem, as coisas no fundo, no fundo, continuam muito parecidas com o que ocorria em 1870...


Os personagens são muito cativantes, Catarina é uma jovem que cresce muito durante a leitura, começa como uma menina de coração puro que está no auge de sua infância e termina como uma mulher decidida, de forte personalidade, mas ao mesmo tempo meiga e atenciosa. Heitor contribui muito para esta passagem de uma fase à outra de sua esposa. Heitor também é um grande personagem, me surpreendi bastante com ele.


O romance todo me surpreende, o contexto histórico que a autora abordou, os dramas da época, os costumes e até mesmo a evolução (comparando com os dias atuais) mostram que a autora buscou construir uma história bem embasada e repleta de detalhes para que o leitor se emocione do início ao fim tanto quanto eu me emocionei!

Recomendo sem dúvida!!!



Sobre a autora:




Ania K. Gevezier sempre gostou de escrever, mas abandonou, por completo, a literatura, ao ingressar, aos 17 anos, no curso de Física; onde passaria mais de dois anos. Sua trajetória acadêmica sofreu, então, uma reviravolta, quando decidiu abandonar a faculdade e embarcar em uma jornada pessoal de autoconhecimento. O produto desta jornada é seu primeiro romance: Café sobre tela, onde, segundo a autora, expressa seus maiores interesses e a forma como observa o mundo. Mora na cidade onde nasceu, Nova Friburgo, e estuda História na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Ania tem 22 anos e escreveu Café sobre tela com 21.

Onde Encontrar:








17 comentários :

  1. Oi,
    Fiquei bastante curiosa com o livro, confesso que fico irritada quando a sinopse não nos introduz! Rsrs
    Bjs!
    Viciados Pela Leitura

    ResponderExcluir
  2. Oi Van
    Tem livros que eu prefiro não ler a sinopse e conforme vou lendo foi me surpreendendo.
    Gostei da premissa do livro, do contexto histórico, parece ser um livro bem interessante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amei de verdade a resenha desse livro, tenho uma paixão enorme por romances históricos e quando é brasileiro fico ainda mais maravilhada. Realmente a sinopse logo na primeira lida não faz tanto sentido, mas ao se aprofundar nas páginas o leitor entende o que ele quis dizer. Fiquei muito curiosa para ler, saber um pouco mais da evolução de catarina ( minha bisavô casou com essa idade também). Estou louca para ler!!!

    sonhoseaventurasdeamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Vanessa!

    Adorei a sinopse não ter dado nenhum indício de como seria o enredo, é uma leitura meio que nas escuras HUAEHUAEHAUEAHUE E pelo jeito isso foi ótimo pra vc!
    Livros de época estão me perseguindo, de um mês pra cá só fico lendo resenhas e mais resenhas desse gênero e tô sem nenhum na estante ;-;
    Fiquei muito curiosa e contente com o enredo de Café sobre a Tela, com certeza ele está mais do que desejado e quero ver a evolução de Catarina e como a autora trabalhou a questão histórica sobre o café e a escravidão!

    Beijos!
    www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela resenha, Balaio de Livros! Fico feliz que a história esteja surpreendendo os leitores positivamente! Adorei essa parceria! ;)

    ResponderExcluir
  6. Ah! Os livros estão a venda, também, em livrarias como a Cultura e a Janina! ;*

    ResponderExcluir
  7. Oi Van!
    Fiquei curiosa com esse livro, acredito que vou gostar \o/
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi Van!
    Adorei suas fotos!! Ficaram muito boas!!
    Eu gostei da sua resenha, nunca li nenhum livro que tratasse algo assim,
    Fiquei curiosa!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Van!
    Adorei suas fotos!! Ficaram muito boas!!
    Eu gostei da sua resenha, nunca li nenhum livro que tratasse algo assim,
    Fiquei curiosa!
    Beijos!
    www.lindaestante.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Van!
    Adorei suas fotos!! Ficaram muito boas!!
    Eu gostei da sua resenha, nunca li nenhum livro que tratasse algo assim,
    Fiquei curiosa!
    Beijos!
    www.lindaestante.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Van,
    Li a sinopse não me mostrou muito, mas gostei muito do que você explicou na resenha.
    Fiquei surpresa do casal não mostrar desentendimento, porque sempre tem quando é arranjado.

    Muito bacana!

    Amei a resenha

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nana! Não haver desentendimento é, justamente, a peculiaridade da história. Isso se deve a Heitor, o esposo. Afinal, a responsabilidade do matrimônio, da consumação na noite de núpcias, era toda do homem, naquela época. Ele podia arruiná-la ou não! ;)

      A propósito, uma das personagens principais de Café sobre tela se chama Nana!

      Um beijo, sua autora.

      Excluir
  12. Pela sinopse não dá muito vontade de ler o livro, mas depois de ler sua resenha e conhecer melhor o enredo eu fiquei interessada sim! <3
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É importante para sua autora ouvir uma opinião assim. A sinopse é um excerto que eu mesma escolhi, para representar a temporalidade do romance, que se confunde com o ciclo do cultivo de café. No entanto, para compreendê-la, como disse a autora da resenha, é necessário ler. Eu primei pelo excerto, porque não acredito que a sinopse seja como um trai ler de filme, responsável pela venda do mesmo. Pretendia, justamente, fazer com que a curiosidade do leitor o fizesse folhear as primeiras páginas. Mas é arriscado, quando se está lançando uma obra pela primeira vez no mercado. Portanto, agradeço pela dica é vou conversar com a editora para ajustar para a segunda edição, que já está a caminho.

      um beijo!

      Ania.

      Excluir
  13. Oi Van, tudo bem?
    Olha, eu curto esses livros que se passam em outros seculos.
    Fiquei curiosa para ler o livro, espero conseguir comprá-lo e le-lo em breve! :D

    www.luadesangue.com.br

    ResponderExcluir
  14. Van!
    Há muito deixei de ler algumas sinopses, não levam a nada.
    Gosto demais de livros ambientados no século XIX, uma cultura totalmente diferente da nossa e rica.
    Hoje nos chocamos com uma menina de 12 anos se casando, entretanto, naquela época, era até comum.
    Fico bem feliz em saber que a protagonista cresce no decorrer do livro e pelas mãos do marido.
    O livro deve ser muito interessante.
    “Dos amores humanos, o menos egoísta, o mais puro e desinteressado é o amor da amizade.”(Cícero)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  15. Caso eu julgasse um livro por sua sinopse sem as resenhas, acho que não leria este exatamente pela sinopse revelar quase nada do enredo, mas me surpreendi com a premissa do livro e como gosto de romances com uma pegada histórica irei coloca-lo na minha lista. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...