(Resenha) A Volta do Parafuso - Henry James:



Sinopse:

  Em uma mansão no interior da Inglaterra, uma governanta é encarregada de cuidar de duas crianças órfãs. Apesar de Miles e Flora se comportarem bem, serem inteligentes e afetuosos, há um desconforto crescente no ar, sobretudo depois que um misterioso e assustador estranho é visto nas redondezas, aparentemente procurando algo - ou alguém. A governanta terá então de lutar por seus pupilos, numa aterrorizante batalha contra o mal - uma batalha cujo desenlace será tanto mais terrível.


Opinião: 

    Há muito tempo eu acalentava a vontade de ler este livro e graças ao Clube do Livro do qual participo aqui na minha região, me foi possível finalmente realizar a leitura de A Volta do Parafuso ou A Outra Volta do Parafuso, já que a obra possui estes dois títulos. Vale ressaltar que mesmo com dois títulos, a história é a mesma na íntegra. Pois bem, o que encontrei neste livro? Encontrei uma obra de terror contada sob o ponto de vista de um narrador que não vivenciou os fatos, mas que dizia estar de posse de um manuscrito detalhado sobre a terrível tragédia que se abateu sob uma família do interior da Inglaterra.

     Vamos aos fatos? Aqui temos uma jovem Preceptora sem nome, de origem humilde e recém contratada para cuidar dos pequenos sobrinhos de um abastado senhor rico, solteiro e sem traquejo para a função. Uma das condições imposta por ele era a de que ela nunca lhe importunasse com  problemas da mansão e principalmente problemas com as crianças. Nossa Preceptora, completamente encantada pela beleza do patrão e com o conforto da mansão onde irá morar e trabalhar, aceita o desafio mesmo quando já nos primeiros dias começa a perceber estranhas movimentações nos arredores da casa. Além disto, assim que as crianças chegam do colégio para as férias em casa, ela logo nota que apesar de doces e encantadoras, elas possuem um leve toque de malícia e ironia em suas ações. A Preceptora tenta se enganar de que são crianças puras e inocentes, mas no fundo ela sabe que escondem alguns segredos compartilhados entre os irmãos.

     Por outro lado, ela tem conhecimento de uma força oculta presente no lugar, força esta que pode ser o motivo para tais comportamentos inadequados. É fato que algo está errado e que as outras pessoas no local também sabem disto. As aparições que ela presencia (de Peter Quint e Miss Jessel – ex- funcionários já falecidos) não são visíveis só a ela, mesmo que ninguém mais admita. Sua amiga e colega de trabalho, Sra. Grose, por várias vezes compartilha das dúvidas e medos da jovem, mas ao mesmo tempo, nunca admiti abertamente acreditar no que está acontecendo. Sua posição leva a crer que está sempre na defensiva, querendo se proteger de algo ou não querendo admitir a própria loucura.


     As coisas chegam a um ponto extremo na mansão e saem totalmente de controle, parece não ser mais possível restaurar a antiga paz do local. Flora e Miles definitivamente não estão agindo como o esperado, enquanto que seus mentores (Peter e Miss Jessel) estão cada vez mais fortes.

     O que achei da trama? Na verdade, eu ainda não sei opinar se gostei ou não do livro, claro que me sinto muito satisfeita por ter lido um clássico tão aclamado (assisti ao filme também), mas não acho que ele tenha tido grande influência sob minhas leituras. Ao concluí-lo me peguei pensando nos pontos que fizeram de A Volta do Parafuso esta obra tão famosa e tão apaixonante para a maioria das pessoas que a leem. Muitos acreditam que é um livro de dupla interpretação. A primeira delas é a de que tudo o que a Preceptora presencia seja mesmo verdade e que existem sim fantasmas na casa dispostos a vingarem-se dos moradores. A segunda interpretação é a de que tudo não passa de uma grande ilusão por parte da moça que, por vir de uma criação religiosa rígida, fantasia que demônios estão atormentando seus anjinhos.


     Concordo com esta ambiguidade proposta pelo autor, mas no meu ponto de vista – acredito que cada leitor tenha o seu – tudo o que a Preceptora presenciou estava realmente acontecendo na mansão, não era apenas fruto de sua imaginação, no entanto, as conseqüências dos fatos foram além do entendimento de nossa protagonista e ocasionou cenas tragicamente tristes. O que me impossibilitou uma maior proximidade com a trama foi a narrativa do autor, claro que devo levar em conta a época em que o livro foi escrito, sua publicação original é de 1898, o que incomodou mesmo foram os poucos diálogos e extensas explicações que acabaram deixando a leitura bem pouco dinâmica e arrastada em alguns momentos, mas note-se que este é o único ponto negativo que ressalto, no geral é uma boa trama e o enredo é realmente instigante.


11 comentários :

  1. Oi, Van!
    Não conhecia o livro e muito menos sabia que tinha filme. Mais uma coisa é certa: a premissa me lembrou muito a história do filme Os Outros. Esse filme me fez ter pesadelos quando criança.
    Anotei a dica porque amo livros de terror.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio do livro Marianas | Participe do sorteio Mês das Mulheres em Dobro
    Porcelana - Financiamento Coletivo

    ResponderExcluir
  2. Oi Van
    Eu já ouvi este título por aí, mas não tinha a mínima ideia do que se tratava.
    Fiquei admirada por se tratar de uma história de terror, e co dupla interpretação de final. Fiquei com vontade de ler.
    Que legal vc participar de clube do livro Van.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Clube da leitura ajuda muito a conhecer vários gêneros e conhecer autores, pelo menos foi assim comigo. Gostei bastante da resenha e dos pontos que você colocou do livro. Li um livro de 1890, e também tinha esse defeito de poucos diálogos, o que me cansou na leitura e quase eu desisto.
    Eu gostei disso, de dois finais, assim o leitor aceita aquele que melhor lhe agrada... Alguns autores atualmente estão fazendo e tá até que sendo legal.
    https://nerdbookblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Ainda não conhecia esse livro, mas como eu não gosto muito de livros com uma pegada de terror, acho que não o leria. Achei a premissa um tanto macabra...hehe'
    Saber que a obra também é descritiva demais e com poucos diálogos (isso me incomoda um bocado), me desanimou ainda mais para ler, pois imagino que seria cansativa para mim também :/
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, não conhecia o livro, mas achei a sinopse interessante. Aqui na minha cidade também tem um Clube do Livro que eu organizei e eu sempre pego as dicas ou leituras que os outros membros fizeram para ler posteriormente. Acho a ideia ótima.
    bjus
    http://recantoliterarioeversos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. oii!!

    Van, eu gosto de histórias assim, só não me pegaria lendo por ser de 1898, além do que não teria uma clara compreensão da linguagem. Mas, as vezes um trama mais concentrado em que a sua imaginação leve a uma única resposta é algo maravilhoso, sabe o leitor chega as suas próprias conclusões, ou não, como foi o caso da ambiguidade. Enfim, eu leria se houvesse uma revisão, mas de tudo me interessei.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Van!
    Eu não conhecia eu livro, mas quando li a sinopse achei bem interessante, mesmo sendo um suspense/terro que eu geralmente não leio e fiquei até interessado pela premissa, mas ao ler sua resenha acabei me desinteressando um pouco, não me dou bem com livros de narrativas extensas e esses clássicos antigos geralmente me são uma tortura para ler.
    Gosto quando o livro tem um tom do dualidade que o leitor por escolher o que esteva acontecendo no livro, mas acho que não leria esse livro.

    Xo
    Alisson
    Re.View

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia o livro e o mesmo não me agradou, sua resenha que esta muito boa, infelizmente o livro não me chamou atenção e creio que não daria chance. Então estou passando. E ai como queria participar de um Clube de livros *-*
    http://marifriend.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Gosto de ler/conhecer clássicos da literatura, mas infelizmente, por tudo o que eu li da sua resenha a obra não me cativou a ponto de querer ler, sabe? O que mais pesou foi isso de ter poucos diálogos, não gosto de leituras muito travadas, então acho que não gostaria da leitura.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Vanessa.
    Já tinha visto o título por aí mas não sabia do que se tratava. Achei interessante. Se eu lesse, provavelmente, gostaria mais da interpretação de que tudo que acontece é real e esta acontecendo mesmo. A segunda interpretação, de que é obra da mente de uma moça religiosa não me agrada muito.
    Livros antigos são chatinhos de ler as vezes né? Acho essa falta de diálogo bem ruim.
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, Van!
    Adorei a sua resenha e as fotos que você montou são super criativas! De início, achei engraçado o nome do livro e morri de vergonha por não saber que se tratava de um clássico.
    Entendo a dificuldade de se entender um livro tão ambíguo (a ponto de não saber de cara se gostou dele ou não), pois é um terror, com o personagem principal sem nome e sem tantas explicações ou diálogos!
    Acho difícil eu gostar desse tipo de leitura, mas para quem gosta é um prato cheio! Vou indicar para algumas amigas que curtem!
    Beijos!

    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...