(Resenha): Orfão X - Gregg Hurwitz - Editora Planeta:


Sinopse:

Quando garoto, Evan Smoak foi recrutado no orfanato onde vivia para fazer parte de um programa americano ultrassecreto. Rebatizado de Órfão X, ele foi treinado para ser um exímio assassino e enviado aos piores lugares do mundo para missões que ninguém mais conseguia executar. Depois de longos anos de atividade, Evan deixa o programa e usa as habilidades de agente secreto para “desaparecer” e viver para um único propósito, agora sob o codinome de “Homem de lugar nenhum”: salvar e proteger pessoas pobres e indefesas como ele havia sido. No entanto, seu passado de matador sangrento passará a assombrá-lo e também a seus protegidos. Alguém tão bem treinado quanto ele – talvez um ex-colega de programa?– está na sua cola, para tentar eliminá-lo.

Skoob: Órfão X

Opinião:

Já adianto: se você é daquelas pessoas muito críticas com enredos e tramas, que acha defeito em tudo, que não gosta de Missão Impossível e Matrix porque ''são muito mentirosos'' esse livro não é para você. Orfão X é uma narrativa no melhor estilo Ethan Hunt, com ação, violência, mistérios e cenas muito muito loucas. A diferença é que Ethan era espião, já o Evan Smoak - nosso protagonista - é um assassino de aluguel.




Somos apresentados ao Órfão X, Evan, e conhecemos a história de sua ''criação''. Recrutado na tenra idade dos 12 anos, ele foi treinado para servir a uma agência de assassinos. Tornou-se um dos melhores e tinha grande respeito de quem conhecia sua fama. Por algum motivo, Evan decide deixar o programa, desaparece e vai viver com pessoas humildes. Torna-se então um ajudantes delas. O Homem de lugar nenhum, um Robin Hood da pesada. É claro que isso não poderia durar muito tempo. Eventualmente percebemos que ele foi descoberto e que há alguém atrás dele, pronto para eliminá-lo.




Hurwitz soube desenvolver um enredo interessante com narrativa empolgante. Todas as cenas mais pesadas são bem descritas (e exageradas, admito) e deram à leitura uma certa fluidez. Esse não é um livro para quem quer coisas a serem pensadas e discutidas. O negócio é pancadaria mesmo. Me lembrou um bocadinho A Morte de Sarai, sem a parte da enrolação do namoro entre Victor e Sarai.




Claro que tem aquele tom de suspense, um mistério aqui e outro ali para deixar a gente com mais vontade de terminar. Nada forçado, apenas algo que se espera sobre um personagem orfão e treinado para matar. Aquela premissa básica de programas de assassinos dos EUA. Daria um bom filme. Clichê, mas bom. 

Resumindo... gostei da leitura. Fiquei empolgada com a narração e recomendo para quem gosta do estilo sou-foda-bem-treinado-bato-em-todo-mundo-faço-coisas-que-não-parecem-reais. De vez em quando a gente precisa dar mais créditos às coisas impossíveis. :)



3 comentários :

  1. Oi, Grazi!
    Apesar de achar bem mentirosos, eu curto esses filmes no estilo. Tenho certeza que iria gostar do livro também. Fora que essa capa está linda.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Grazi
    Vi de cara que este livro não faz meu estilo, tem um enredo interessante, mas não é pra mim.
    Adorei sua resenha, ainda não conhecia o livro.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não é o estilo de livro, que eu gosto de ler mas eu gostei muito da sua resenha e achei o enredo interessante sim.
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...